O trabalho voluntário como instrumento de transformação social

O trabalho voluntário como instrumento de transformação social

Conexão com especialista #26

Já parou para pensar se conhece alguém que é voluntário em alguma causa?

Se a sua resposta foi, “sim, eu conheço”, ficamos contentes em saber. Agora, se a sua resposta foi “não”, infelizmente, é uma realidade frequente, e quem perde com isso são aqueles que mais precisam de auxílio.

É preciso mudar esse cenário. As pessoas precisam conhecer e principalmente ser voluntárias em alguma causa. Ao contrário do que muitos pensam, quando divulgamos as nossas ações voluntárias, não é com o intuito de nos vangloriar ou para autopromoção, ao pelo contrário, fazemos por que a causa precisa ser compartilhada, mais pessoas precisam ser impactadas e incomodadas.

O trabalho voluntário é muito ligado à caridade, ao ato de se preocupar com o próximo e de alguma forma tentar ajudá-lo. Não tem como falar de trabalho voluntário sem pensar em algum tipo de assistencialismo, mas a essência do trabalho voluntário é muito mais profunda.

Hoje enxergamos o trabalho voluntário como necessidade. No sentido de que, com os privilégios que temos, seria muito egoísmo não retribuir as conquistas e vitórias que alcançamos para tantos que não receberam as mesmas oportunidades.

Quando você entra de fato no mundo do voluntariado, descobre que vai muito além do assistencialismo. Conhecemos o trabalho voluntário através do Rotaract, em 2016. Rotaract é um programa de Rotary voltado para jovens que através de ações e projetos sociais buscam desenvolver sua liderança em um período da vida que é extremamente necessário. Alguns estão no início da vida acadêmica, outros estão saindo da faculdade e entrando no mercado de trabalho e o Rotaract oferece não só a oportunidade de ser a diferença na vida de alguém, mas também um incrível networking com pessoas do mundo todo. Algumas dessas pessoas se tornaram nossos amigos pessoais e levaremos por toda vida.

É engraçado que entramos no Rotaract acreditando que poderíamos fazer algo pelas pessoas, mas na realidade nós somos os maiores beneficiários do programa.Talvez uma vida não daria tempo de retribuir ao programa o tanto que ele oportunizou em nossas vidas.

Enquanto casal, o voluntariado veio para nos unir ainda mais, para somar e alinhar nossos objetivos de vida.Mas não é um trabalho fácil. É preciso muita dedicação e entrega. Obviamente o trabalho voluntário não é sinônimo de santidade e nem tampouco realizado por imaculados que buscam a salvação, pelo contrário, é realizado por pessoas cheias de defeitos, que erram diariamente, com a única diferença que se incomodamcom os problemas sociais e buscam a solução.

O trabalho voluntário, de uma certa forma, escancara todas as feridas da sociedade e o quanto nós, enquanto comunidade, estamos doentes e somos egoístas. Conhecemos realidade quem nem pensávamos existir em nosso município, saímos completamente da nossa bolha social e sofremos ao perceber que muitas pessoas têm condições de ajudar e se escondem atrás das desculpas e lamentações, guardando a indignação apenas para as redes socias. O voluntariado nos mostra o quanto somos privilegiados por poder estudar, trabalhar, viajar, consumir, e quando você percebe que o mundo é uma rede e que estamos todos conectados, esse privilégio não se torna motivo de orgulho, mas sim de obrigação para com quem não tem as mesmas oportunidades. Passamos a usar (ou pelo menos tentar) nossa voz, nossas habilidades e conhecimentos, nossos privilégios para ofertar ao máximo de pessoas possíveis as mesmas condições.

Hoje o trabalho voluntário faz parte das nossas vidas e enquanto tivermos forças, tempo e saúde para ajudar o próximo, o faremos, não por que somos bonzinhos, mas por que é necessário.