Respeito não se compra, respeito se conquista

Respeito não se compra, respeito se conquista

Conexão com especialista #25

Matheus mora no São Marcos. Um dia ele ganhou de sua mãe um DVD do Chris Brown e gostou muito do estilo da música e da dança. Pensou que poderia fazer também. Pegou seu sonho e compartilhou com outros amigos. Conheceu pessoas com gosto em comum, habilidades diferentes e uma linguagem própria do lugar.  

O Movimento Hip Hop foi se formando aos pouquinhos nas quatro vertentes: “Break”, o estilo de dança muito característico por suas acrobacias no chão, o “MC” é quem rima em cima das bases, o “DJ” que faz as bases e o “Grafite” que é a forma de manifestação artísticas em espaços públicos através das artes visuais. A galera começou a se reunir na pista de Skate, na entrada do Bairro Leonardo, e ali faziam seus encontros chamados de “Batalha”.

Matheus estava lá e viu muitas coisas. O Movimento não tinha apoio, nunca teve, era necessário união e organização entre eles para que as coisas acontecessem. Os olhos da cidade tendem a observar com preconceito tudo que vem da periferia pra o centro. Talvez pela linguagem, talvez pelo estilo, talvez por pura ignorância mesmo. 

Nada foi motivo para que não vivessem o sonho, nem a falta de apoio, nem a falta de luz, nem de estrutura. Sempre houve. Os grupos se organizaram sozinhos e hoje ainda lutam por um espaço. Matheus, conhecido como Big Drop está junto com outros amigos no coletivo Wu-Team, além deles tem a galera do Pacifico Crew, Sinestesia, Santa-Luv, NG3 e outros que não conheço ainda. Matheus me trouxe uma visão que eu não tinha sobre um movimento tão intenso e verdadeiro.  

Junto com outros jovens, pintamos um painel na pista de Skate. Fizemos uma releitura das Fiandeiras de Cândido Portinari em uma linguagem Hip Hop. Procuramos ali, unificar os dois estilos, os dois mundos. Cataguases tem artistas por todos os lados, dos mais diferentes estilos e todos de muito talento. Se olharmos com mais atenção e cuidado, veremos o tesouro humano de Cataguases, que é sem dúvida mais valioso que qualquer obra de arte que exista aqui.

 

Renatta de Oliveira Barbosa. Formada em Jornalismo e Pós-Graduada em TV, Cinema e Mídias Digitais.